Com vacina da Pfizer, imunização no Ceará contará com três imunizantes contra covid 19

O Ceará espera receber, nesta segunda-feira, 3, mais de 17 mil doses da vacina da Pfizer/BioNTech contra a Covid-19. Será o terceiro imunizante aplicado em território cearense. Desde janeiro deste ano, o Estado aplica doses da CoronaVac (Sinovac/Butantan) e da AstraZeneca (Oxford/Fiocruz).

Cada uma delas precisa ser aplicada em duas doses, mas guardam diferenças, como a tecnologia utilizada,  forma de armazenamento e público prioritário a que estão sendo destinadas no Ceará. Para entender melhor, confira abaixo as diferenças e os principais pontos das vacinas:

CoronaVac

Clique na imagem para abrir a galeria

Fabricantes: Sinovac/Butantan

Tecnologia: é feita com o vírus inativado, isso é, o Sars-Cov-2 é multiplicado numa cultura de células e depois inativado por meio de calor ou produto químico. Quando alguém recebe uma das doses, as células que dão início à resposta imune encontram os vírus inativados e os capturam, ativando os linfócitos (células especializadas capazes de combater microrganismos). Os linfócitos produzem anticorpos, que se ligam aos vírus para impedir que eles infectem novas células.

Eficácia: os vacinados têm 50,38% menos risco de adoecer. Caso pegue Covid-19, a vacina oferece 100% de eficácia para não adoecer gravemente e 78% para prevenir casos leves.

LEIA TAMBÉM | O que a eficácia de uma vacina tem a dizer?

Público-alvo no Ceará: profissionais da saúde, idosos, indígenas, quilombolas, profissionais da área de segurança e idosos

Tempo de aplicação entre a 1ª dose (D1) e a 2ª dose (D2):  de 14 a 28 dias, segundo orientações do fabricante

AstraZeneca

Clique na imagem para abrir a galeria

Fabricantes: Oxford/AstraZeneca/Fiocruz

Tecnologia: usa uma tecnologia conhecida como vetor viral não replicante. Por isso, utiliza um “vírus vivo”, como um adenovírus, que não tem capacidade de se replicar no organismo humano ou prejudicar a saúde.

Este adenovírus é modificado por meio de engenharia genética para passar a carregar em si as instruções para a produção de uma proteína característica do coronavírus, conhecida como espícula (spike ou simplesmente “S”). Ao entrar nas células, o adenovírus faz com que elas passem a produzir essa proteína e a exibam em sua superfície, o que é detectado pelo sistema imune, que cria formas de combater o coronavírus e cria uma resposta protetora contra uma infecção.

Eficácia: a eficácia média, segundo os cientistas responsáveis, é de 70%.

Público-alvo no Ceará: idosos

Tempo de aplicação entre a D1 e a D2: 12 semanas (três meses)

LEIA MAIS | O que as vacinas contra Covid-19 podem e não podem fazer

Pfizer

Clique na imagem para abrir a galeria

Fabricantes: Pfizer/BioNTech

Tecnologia:  vacina utiliza a tecnologia chamada de mRNA ou RNA-mensageiro. Os imunizantes são criados a partir da replicação de sequências de RNA (o material genético dos vírus) por meio de engenharia genética.

O RNA mensageiro mimetiza a proteína spike. Essa “cópia”, no entanto, não é nociva como o vírus, mas é suficiente para desencadear uma reação das células do sistema imunológico, que cria uma defesa robusta no organismo.

Eficácia: 95% de eficácia

Público-alvo: pessoas com comorbidades atendidas na 3ª fase de grupos prioritários. Será aplicada somente em Fortaleza, pois precisa estar armazenada em temperaturas negativas

Tempo de aplicação entre a D1 e a D2: 21 dias

Especificidade: as vacinas Pfizer necessitam de temperaturas negativas para seu armazenamento entre -25ºC e -15ºC, podendo permanecer por até 14 dias nessas condições.

Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *