Adilson Batista, o novo treinador do Ceará. Acerto se deu na noite desta quarta feira

Fumaça branca em Porangabuçu em um anúncio que surpreendeu a todos na noite de ontem. O relógio marcava exatamente 20h19min quando a definição do novo técnico do Ceará saiu de um nome que estava totalmente fora do radar. Adilson Batista será o responsável por comandar o Alvinegro de Porangabuçu até o fim da Série A do Campeonato Brasileiro em uma aposta arriscada da diretoria do Vozão.

O novo técnico do Vovô chega à capital cearense hoje e já comanda o primeiro treino, à tarde, em Porangabuçu. Juntamente com Adílson, desembarcará também o auxiliar técnico Cyro Garcia. A expectativa é que o treinador seja regularizado no BID da CBF até amanhã para que esteja à beira do gramado, neste domingo, às 16 horas, quando o Ceará enfrenta o Goiás, na Arena Castelão, tentando encerrar o jejum de oito jogos seguidos sem vitórias.

O paranaense de 51 anos é experiente e acumula passagens por equipes como Grêmio, São Paulo, Santos, Corinthians, Athletico/PR, Cruzeiro e Vasco. No currículo, são quatro títulos estaduais: Campeonato Mineiro (2008 e 2009), Campeonato Catarinense (2006) e Campeonato Potiguar (2002).

Seu melhor trabalho foi há exatos 10 anos, no comando do Cruzeiro, onde conquistou os dois títulos do campeonato estadual e chegou até a final da Taça Libertadores.

Na ocasião, utilizava o esquema 4-3-2-1, com três volantes, sendo dois de marcação e um com maior liberdade para ajudar o meia-armador camisa 10, que atuava centralizado na criação de jogadas.

Porém, Adilson estava desempregado desde novembro de 2018, quando foi demitido do Coelho.

Além disso, nos últimos quatro anos, só trabalhou em duas equipes. Além do América/MG, comandou também o Joinville, em 2015. Entretanto, os dois times acabaram rebaixados da Série A nos respectivos anos.

Os descensos, inclusive, são o “pesadelo” de Adilson. O treinador é o recordista em rebaixamentos na Série A durante a era dos pontos corridos, desde 2003.

Ao todo, foram seis vezes que o treinador comandou campanhas que culminaram em quedas dos times, com Grêmio (2004), Athletico/PR (2011), Atlético/GO (2012), Vasco (2013) Joinville (2015) e América/MG (2018).

A chegada de Adilson ao Vovô é, portanto, não somente num momento decisivo para o clube, que luta para seguir fora da zona de rebaixamento do Brasileirão, mas também é vista como uma retomada de carreira por parte do novo comandante.

“Estou extremamente lisonjeado com o convite do presidente Robinson por se tratar de um grande clube como o Ceará, o time do povo, de massa. Quero abraçar essa torcida maravilhosa para que, juntos, consigamos nossos objetivos. Nesse caminho que temos que trabalhar. Peço confiança e respaldo para que a gente consiga o que foi estabelecido para essa temporada”, assegurou Batista.

Dia agitado

O anúncio de Adilson Batista ocorreu após um dia extremamente agitado. A quarta-feira de todos os torcedores do Ceará foi de intensa expectativa pelo anúncio do substituto de Enderson Moreira.

Inicialmente, o nome de Lisca foi o escolhido pela direção do Vovô e as negociações estavam bastante avançadas para o retorno do técnico gaúcho. O acerto poderia acontecer a qualquer momento, tendo em visa que Luis Carlos de Lorenzi já havia sinalizado positivamente para um novo retorno a Porangabuçu.

Acontece que a informação não foi vista com bons olhos por parte da torcida alvinegra e a repercussão foi extremamente negativa, sobretudo nas redes sociais. No Twitter, por exemplo, a hashtag #LiscaNão chegou aos trending topics Brasil, figurando entre os assuntos mais comentados do País durante o período de manhã e tarde.

A torcida organizada Cearamor também se manifestou totalmente contrária à volta do gaúcho, que conquistou bons resultados dentro de campo ao salvar o clube de dois rebaixamentos (Série A e Série B, em 2018 e 2015, respectivamente), mas também se envolveu em polêmicas com membros do clube e torcedores em sua última saída.

O movimento da torcida do Ceará surtiu efeito. Após a repercussão extremamente negativa e a pressão gerada, o clube reavaliou e recuou na contratação de Lisca.

Argel Fucks chegou a se reunir com a diretoria do CSA, seu atual clube, mas resolveu permanecerAugusto Oliveira/RCortez/CSA

Não demorou para outro nome ganhar força. A bola da vez foi Argel Fucks, que está no CSA. O presidente do clube alagoano, Rafael Tenório, confirmou que Argel tinha em mãos proposta do Alvinegro e que a decisão de sair ou não do time alagoano seria do próprio treinador. O Diário do Nordeste, porém, apurou que o treinador foi oferecido ao clube cearense, que a partir de então passou a considerar a possibilidade de contratá-lo e abriu negociações. Só que, em reunião realizada em Maceió, com a direção do Azulão, o treinador optou por renovar contrato com o CSA até 2020.

Jair Ventura foi outro especulado que acabou descartado, bem como Vágner Mancini, que sequer chegou a ser contactado oficialmente.

Já na noite de ontem, outros dois nomes, de perfis totalmente diferentes, surgiram como alvos de sondagens do Vovô. Os técnicos Milton Cruz, de 62 anos, e o jovem Thiago Larghi, de apenas 39, foram contactados mas descartados logo em seguida pelo anúncio de Adilson Batista.

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *